Guilherme Café, o zagueiro que sabe o caminho do acesso

Atualizado: Set 11

O XV está em busca do acesso para a Série A-3 desde 2012, depois da queda no ano anterior. São oito anos de espera. Este ano a expectativa é que o objetivo seja alcançado. E o time tem jogador acostumado a subir. Um deles é Café, que vem de dois acessos seguidos no Campeonato Paulista Sub-23 da Segunda Divisão. Com o Comercial em 2018 e com o Marília em 2019.





Essa experiência ele traz para o XV em 2020 e terá ao lado outro jogador que subiu no ano passado, o lateral-esquerdo Praxedes. Café tem 23 anos de idade, 1m87 e 82 kg. É natural de Ribeirão Preto, onde já defendeu Comercial e Botafogo, também atuou por clubes como Olé Brasil, Chapecoense, Cruzeiro... Seu último clube foi o Concórdia, de Santa Catarina.


Estava lá antes da pandemia. Parou e voltou para casa, onde treinava isoladamente numa academia de amigo. Conta que foi um “período difícil” e que “ficar muito tempo parado” não é bom para um atleta, mas que serviu de aprendizado para a carreira e a vida. Em agosto, voltou para fazer mais dois jogos pelo Concórdia e encerrar a participação por lá. Depois disso acertou sua vinda para o XV.


Sobre suas características, diz que é um zagueiro técnico, que gosta de sair jogando e ligar com os homens da frente. Por ter boa estatura, também joga bem nas bolas áreas.


Experiência - O zagueiro disse que desde terça-feira, em conversa com os mais novos, tem falado sobre as características do campeonato e que, com sua experiência, vai orientar da melhor forma possível. E ressalta que no elenco estão outros jogadores também experientes e com passagens em clubes de ponta.


“Vamos tentar trazer a melhor experiência possível para passar para os mais novos, mas a Bezinha não é um bicho de sete cabeças. É um campeonato aguerrido, não tem essa de bola perdida não...”, disse. Sobre a “receita” para subir, disse que não tem segredo que não seja o trabalho sério, tanto dos jogadores como do pessoal de apoio e da diretoria.


E foi confiando nesse projeto do XV que ele decidiu vir para Jaú e não ir para o exterior, como quase ocorreu. Conta que estava com um pé num clube do Camboja, mas na última hora apostou que o XV de Jaú seria o melhor para sua carreira. Sobre “trabalho”, disse que a diretoria já está fazendo o melhor e que agora os jogadores precisam treinar e trabalhar para iniciar bem o campeonato. “


Guilherme Aparecido Silvério, o Café, ressalta que os jogadores do XV estão recebendo todo o suporte do clube para trabalhar, trabalhar, trabalhar e isso é fundamental. “Não tem como dar errado”.


CAFÉ

Nome: GUILHERME APARECIDO SILVERIO

Posição: ZAGUEIRO

Nascimento: 1997

Último clube: CONCORDIA

Altura/peso: 1,87 / 82 KG

Natural: RIBEIRAO PRETO - SP